Lenda da Dança dos Búfalos

Era a época da “Lua em que os lobos se reúnem”, o frio estava intenso e neve ofuscava os olhos de todos na tribo. Nunca tinha havido um inverno tão rigoroso como aquele, a fome tirava a resistência dos membros da tribo e o choro da morte era uma constante entre eles. Nos outros anos os guerreiros localizavam as manadas dos búfalos e conduziam-na até a beira do precipício e lá derrubavam o número de animais necessários para fornecerem carne e peles para sobreviverem durante o inverno. Mas nesse ano a estória era diferente, pois quando os búfalos chegavam a beira do precipício eles se desviavam da beira e voltavam para o meio da pradaria.

Numa certa manhã, uma jovem levantou cedo para buscar água na beira do rio para seus familiares. Na saída da tenda ela avistou a manada na beira do precipício. Vendo-os, ela exclamou: “Se vocês pulassem e o meu povo tivessem comida suficiente para sobreviver, eu casaria com qualquer um de vocês”. Imediatamente todos começaram a pular.

Que surpresa ela teve ao ver aquela cena. Surpresa maior ela teve quando um deles chegou para ela e disse:

- Ok, mocinha, vamos lá!

- Não! – reagiu a jovem.

- Como não? – perguntou o búfalo grandalhão. Você prometeu que casaria com um dos nossos e nos cumprimos a nossa parte.

Ele a pegou pelo braço e levou-a para a montanha dos búfalos.

Quando os parentes da jovem acordam, perguntam entre si porque a jovem ainda não voltou com a água. O pai da jovem resolve procura-lá e, como um grande guerreiro consegue ver nas pegadas o que se passou com sua filha. Ela volta a sua tenda, pega sua roupa de caça e suas armas e parte em busca da filha.

Depois de seguir as pegadas durante horas, ele para no brejo para descansar e pensar no que irá fazer para encontrar sua filha. E quando surge uma gralha que fica pulando ao seu redor de galho e galho, até que o pai da jovem pergunta:

- Querido pássaro, minha filha foi levada por um búfalo. Você a viu com um desses animais?

- Sim, a algum tempo eu vi uma bela jovem entre eles.

- Você poderia ir até lá e avisar para ela que eu estou aqui? – perguntou o pai.

A gralha levantou vôo e encontrou a jovem entre os búfalos que se encontravam dormindo. Bicando a terra, chega para a jovem e diz:

- Seu pai está te esperando lá no brejo.

- Há meu querido pai, é muito perigoso ele ficar aqui perto. Fale-lhe que me espere, que eu vou ter com ele quando puder.- disse a jovem nervosa.

Nesse instante o búfalo grandalhão levanta, arranca um dos chifres e manda:

- Vá buscar água para mim.

Ela pega o chifre e vai até o brejo onde encontra o pai, que a segura e fala:

- Vamos embora!

- Não posso – diz a jovem. É muito perigoso, deixe que eu vou dar um jeito.

Ela enche o chifre d’água e volta para o búfalo grandalhão, que bebe e fala:

- Fum, fum, sinto cheiro de duas pernas no ar.

- Não! – fala a jovem.

- Sim! – exclama o búfalo grandalhão, que sai correndo em direção ao brejo com toda manada atrás de si, que mergulham na lama do brejo esmagando o pai da jovem.

Ela chora compulsivamente, e o búfalo grandalhão pergunta o por que daquele choro.

- Era o meu pai.- Responde a jovem.

- Realmente era seu pai que você perdeu, mas nós perdemos todos nossos parentes para alimentar sua tribo.

- Está certo, mas era meu querido paizinho. – Disse a jovem ainda chorando.

O búfalo grandalhão sente compaixão por ela e diz:

- Se você conseguir ressuscitar o seu pai, eu te deixarei livre para voltar a sua tribo.

Então ela chamou a gralha e pediu para que ela bicasse a terra para ver se encontrava um pedaço do seu pai. A gralha obedeceu e começou a bicar até encontrar a espinha dorsal do pai da jovem.

- Encontrei algo.-Falou a gralha.

- Eu acho que serve. – Respondeu a jovem. Ela colocou a espinha do pai no chão, rasgou um pedaço de seu vestido e colocou sobre a espinha e, começou a cantar um canto mágico. Aos poucos vai surgindo uma figura debaixo do pano parecida com seu pai, ela passa a entoar o canto cada vez mais forte e o pai se ergue do chão para espanto dos búfalos que exclamam:

- Puxa! Por que você não faz o mesmo com o nosso povo? Por que não nos devolve a vida depois de matar-nos? Vamos ensinar a nossa dança para vocês. E após nos abaterem no precipício, dancem essa dança e entoem o seu canto mágico que voltaremos todos os anos para alimentar vocês.

Voltar
Creative Commons License xamanismo.com - Caminho Xamânico - Esta obra é licenciada por uma licença:
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil.