A Perda e o Resgate da Alma

A redescoberta do xamanismo surgiu como um impulso importante no atual renascimento espiritual que varre o mundo ocidental. Em meu trabalho diário como etnoterapeuta utilizo técnicas xamânicas para acessar os reinos sagrados, e me conectar com as minhas fontes internas de poder e sabedoria para facilitar a cura e a resolução de problemas dos meus pacientes.

Xamãs verdadeiros são os homens e mulheres que podem atingir os estados expandidos de consciência em que se pode perceber e comunicar-se em outras dimensões, que não é possível em nosso estado ordinário de consciência desperta. Através da formação, os xamãs geralmente aprendem a induzir estes estados em que expandem suas consciências separadas de seus corpos físicos e viajam para os mundos interiores atemporal quando se depararem com entidades ou personalidades que os povos nativos chamam de espíritos. Com a ajuda destes espíritos, os xamãs são, então, capazes de realizar várias coisas, inicialmente em nome de si mesmos, e então cada vez mais em nome dos outros.

Nas culturas nativas, os xamãs podem trabalhar com indivíduos, com famílias, ou mesmo com comunidades inteiras. Eles viajam normalmente para os mundos interiores para acessar as informações dos espíritos através de adivinhação, para restaurar o poder para aqueles que perderam, e para participar de trabalhos de cura em vários níveis. Dirigido por forte motivação altruísta e auxiliado pelo seu espírito guardião, o xamã é um ativista espiritual, que é capaz de restaurar o equilíbrio e a harmonia nas pessoas que estão sofrendo. Como praticante da medicina do espírito, seu objetivo é promover e preservar a alma do indivíduo, facilitando a passagem de desarmonia e doença em um estado de cura.

Povos nativos tradicionais fazem uma clara distinção entre a medicina física e a do espírito. Se um homem vem cambaleando pelo caminho com uma flecha no traseiro, não é o momento de pegar o chocalho e entrar em transe. É o momento de começar arrancar a flecha da ferida, estancar o sangramento, prevenir a infecção e promover a cicatrização. Essa é a hora da medicina física e todos os povos nativos sabem um pouco sobre isso.

Ao lidar com a doença, o xamã está ciente de que existe uma relação entre causa e efeito. Entende-se que, como passamos a vida no plano físico, as coisas acontecem naturalmente. Tornamo-nos doentes com gripes, viroses, nos acidentes ao cair, entre tantas outras coisas. No processo temos ossos quebrados, hematomas, cortes, entorses, etc. Às vezes nós adquirimos lesões graves ou doenças de natureza interna – o cancro ou a esclerose múltipla, hepatite ou doença de coração, e eventualmente passamos por enfermidade relativa à velhice e por fim a morte do corpo físico. Estas são todas de se esperar – fazem parte do que significa ser uma forma de vida manifestada orgânica, mas os exemplos dados são todos os efeitos. O que interessa ao xamã é a causa. Para a verdadeira cura ocorrer, não basta simplesmente tratar os efeitos e suprimi-los com a medicação. A causa deve ser abordada.

Existem três causas clássicas da doença do ponto de vista do xamã, e curiosamente, eles não são bactérias, micróbios e vírus, mas sim estados internos. A primeira delas é a desarmonia. Isto é o que ocorre quando os indivíduos perdem uma ligação importante na vida ou quando são privadas do seu sentimento de pertencer a algo. Desarmonia é o que acontece quando vemos um casal idoso que viveram juntos por quase toda uma vida, e de repente um deles morre. Dentro de seis meses ou um ano, o cônjuge que sobreviveu fica deprimido e adquiri um câncer. A desarmonia provoca uma diminuição do nosso poder pessoal que, por sua vez torna-nos vulneráveis à doença.

A segunda causa é o medo. O medo diminui a capacidade de funcionamento de qualquer sistema imunológico. Este não é, naturalmente, nenhuma grande notícia para os médicos modernos que sabem muito bem que o medo e desarmonia podem se manifestar como doenças reconhecidas pela ciência moderna.

A terceira causa clássica da doença é o fenômeno conhecido como a perda da alma. E aqui encontramos algo curioso. A perda da alma é considerada como o diagnóstico mais grave e a maior causa de doença e de morte prematura pelos povos nativos tradicionais, e não é sequer mencionado em nossos livros de medicina ocidental.

A perda da alma implica sérios danos ao Ser Interior de uma pessoa. O dano geralmente resulta em uma fragmentação desta essência, as partes de nossa alma podem se separar e muitas vezes se dissociam em conseqüência de acidentes, choque, doenças, traumas e violências, e não retornam a quem os perdeu. Em uma sociedade tradicional, a perda da alma ou dano ocorre muitas vezes através da prática de feitiçaria ou bruxaria negativa, em que os indivíduos tentam eliminar seus inimigos, atacando-os através do canal psíquico. Em nossa cultura, a perda da alma é mais frequentemente associada com trauma. A parte fragmentada da alma se refugia no mundo astral, onde pode estar cristalizada ou perdida, ocasionando assim um rompimento na psique ou um vazio na alma que continua no corpo. A perda da alma ocorre em resposta aos abusos, como no caso quando uma pessoa é estuprada ou agredida. A perda da alma pode acontecer como resultado de uma traição grave, um amargo divórcio, o aborto traumático, um terrível acidente de carro, ou até mesmo cirurgia. Muitos dos homens e mulheres que participaram de guerras voltaram doentes por terem sofrido com a perda da alma. Infelizmente, a nossa medicina moderna ocidental tem pouco a oferecer-lhes em termos de cura verdadeira, e muitos deles ainda estão traumatizados com o que aconteceu com eles.

Segundo uma das minhas “Maestras”, Mirella Faur: “Este afastamento acontece como medida de segurança, permitindo ao corpo físico que sobreviva ao acidente, choque ou trauma. Mas, a conseqüência desta dissociação é uma perda de poder – físico, psicológico ou espiritual – impedindo a pessoa de levar adiante uma vida sadia, criativa, plena e feliz.”

A perda de partes do self, muitas vezes se manifesta como melancolia e desespero, que traz o sintoma clássico da perda da alma – depressão. “Na prática, – continua Mirella Faur – esta perda de fragmentos da alma manifesta-se por meio de comportamentos autodestrutivos (compulsão, obsessões, dependências), relacionamentos perniciosos ou obsessivos, depressão crônica, insatisfação e vazio existencial, dificuldade em criar ou realizar, ocorrência de padrões comportamentais repetitivos e falta de vitalidade. A queixa mais comum é um sentimento de não sentir-se inteiro, de que algo foi rompido ou perdido após um trauma ou acontecimento, além do esquecimento de certos períodos em sua vida. Todos perdem fragmentos das almas, em uma escala maior ou menor. As perdas menores resolvem-se pela própria capacidade auto-reguladora e organizadora do Eu Divino. Mas, em casos mais graves – como acidentes, traumas, estupro, perda de entes queridos, catástrofes naturais ou sociais – o xamã fará uma jornada xamânica para descobrir e localizar as partes perdidas da alma do paciente, buscando também os meios de resgatá-las e dando as orientações espirituais para o resgate, durante e depois.”

A doença na perspectiva nativa tradicional é vista como uma intrusão – como algo que entra no corpo e que não pertence ele. Isto é verdade se estamos lidando com um vírus, uma flecha ou um pensamento negativo. Mas o problema principal não é a intrusão. O principal problema é a perda de poder ou a perda de uma parte da alma que permitiu a doença entrar e se manifestar, em primeiro lugar. Esse é o problema e este é o campo onde o xamã faz seu melhor trabalho. Neste caso, o xamã terá que realizar o Resgate de Alma, que é uma técnica xamânica para a integração da personalidade.

A primeira etapa envolve o que poderíamos chamar de aumento de energia, um processo no qual o xamã capacita seus pacientes por aumentar sua fonte de poder pessoal com a assistência de seu espírito guardião. Isto é muito fácil de fazer se você sabe fazê-lo. A segunda etapa envolve o diagnóstico do problema, adivinhando a causa, e perceber o efeito dentro do corpo da pessoa. Muitas vezes isso envolve o acesso ao estado expandido de consciência xamânica em que o xamã pode perceber a intrusão da doença. A terceira etapa envolve a extração da energia intrusa do corpo do paciente, que o deixou doente. A quarta e última etapa é a crítica. Esta é a prática misteriosa conhecida como Resgate de Alma.

Ao fazer o resgate de alma, o xamã como os espíritos que os assistem, vão trabalhar em conjunto, procurando as partes perdida da alma, encontrando-as e trazendo-as de volta para a pessoa que perdeu. Só desta forma a alma pode ser restaurada ao seu estado original sem danos, e só dessa forma o paciente pode ter certeza de que a doença não volte a acontecer. Nas sociedades nativas tradicionais, especialistas em resgate de alma são considerados como sendo de uma estirpe única e são conhecidos como coletores de alma.

Quando o xamã utiliza seu próprio corpo, como a ponte entre as esferas do sagrado e do mundo cotidiano, os milagres acontecem.

Voltar
Creative Commons License xamanismo.com - Caminho Xamânico - Esta obra é licenciada por uma licença:
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil.