Xamãs e Espíritos Aliados

 

O poder do xamã para ajudar e curar vem dos espíritos. Este poder como força vital é inerente a todas as coisas. No mundo do xamã, onde a manifestação dessa energia pode ser assustador e os perigos relacionados serem graves, ela deve sempre ser homenageada por ele. A ideia de que um ser humano poderia controlar um poder tão vasto e diversificado é um absurdo. No entanto, alguns seres humanos podem dominar a arte de estar em relação com esse poder sagrado. O xamã é este tipo de humano. Nesta relação o poder sagrado fornece a energia e consciência, enquanto o xamã orienta esta energia no mundo físico de forma que possa ajudar os seres deste mundo. Esta relação entre o xamã e os espíritos é muitas vezes incompreendida. Este equívoco surge, em parte, porque não temos palavras para descrever com precisão a relação e, em parte, porque não compreendemos a experiência. No entanto, a compreensão da verdadeira natureza da relação entre o xamã e os espíritos é essencial para compreender o xamanismo. Simplificando, a relação entre o xamã e os espíritos é prática, como uma relação de trabalho.

Como em todas as relações de trabalho eficazes, cada uma das partes traz algo único para o relacionamento. Os espíritos trazem a orientação e o poder que o xamã precisa para fazer o trabalho. O xamã traz a capacidade de traduzir e concentrar as energias do mundo invisível no mundo físico para realizar as tarefas específicas. O xamã ganha a habilidade de ser um xamã, para trabalhar com forças poderosas para criar curas, que do ponto de vista humano parece serem milagres. O que os espíritos ganham ainda é um mistério. Talvez seja a oportunidade de expressar sua própria essência no mundo. Seja o que for, acreditamos que eles ganham alguma coisa por sempre nos auxiliarem. Eles nos iniciam e fazem alguns de nós xamãs, como se isso fosse importante para eles realizar. Desta forma misteriosa, a relação entre o xamã e os espíritos é interdependente.

O mal-entendido mais comum desse relacionamento é a ideia de que o xamã controla os espíritos, que ele é o mestre deles. É fácil entender como as pessoas olham através das lentes da cultura ocidental, que define o poder dos padrões de dominação, iriam interpretar essa relação em termos de controle. No entanto, sabemos a partir das palavras dos xamãs que os espíritos fornecem tudo o que faz um ser humano tornar-se um xamã e leva tudo embora com a mesma facilidade. Os xamãs dizem não ter nenhum controle sobre esse aspecto do relacionamento. Na verdade, eles explicam que em torno destas questões, o xamã deve permanecer verdadeiramente humilde. O que os xamãs fazem é reivindicar o sucesso na luta para ganhar o controle de seu estado pessoal, enquanto nos Estados Xamânico de Consciência para trabalhar com os poderes do mundo invisível. Em outras palavras, o xamã se torna o mestre da relação com o espírito, mas não deste. Este domínio de si mesmo, enquanto na relação com o espírito é a diferença entre a definição do xamã e de um esquizofrênico. A habilidade do xamã para controlar o seu EXC e sua instabilidade mental é essencial.

Um xamã é capaz de controlar uma variedade de Estados Alterados de Consciência, para entrar e sair desses estados à vontade, e de interpretar com precisão as mensagens, quando estão neles, de uma forma que seja eficaz para os outros. O xamã usa essa gama de EAC como ferramentas. Em contraste, uma pessoa mentalmente doente entra involuntariamente em estados alterados, e é geralmente imprecisa ou obscura em nomear os seres invisíveis para quem ele ou ela está falando. Não há precisão, autocontrole, ou eficácia na experiência estado alterado de doentes mentais. O mal-entendido sobre a relação de trabalho do xamã com o espírito é ainda mais confuso com a suposição de que a incorporação é uma doença. Um xamã usa a personificação (possessão) para trazer um espírito aliado conhecido em seu corpo físico, permitindo que esse trabalhe através dele para curar outras pessoas. A maestria deste estado de transe é essencial para extrações e outros trabalhos de limpeza. A entrada do espírito no corpo do xamã é intencional e focada pelo xamã. Normalmente ele dirige o poder do espírito em direção a um objetivo definido, como a remoção de uma fonte de doença do corpo de um paciente ou dando orientação a uma comunidade. Em contraste, a entrada de um espírito possuindo o corpo da vítima é intencional. O poder do espírito possuidor domina a intenção da vítima, frustrando o controle da vítima sobre o seu próprio estado pessoal. Xamãs dizem que ao trabalharem em um estado de possessão, eles estão trabalhando em um transe de incorporação.

É uma relação de trabalho, de comunicação e respeito mútuo, em que cada parte faz a sua para que obtenham sucesso. A relação dos xamãs com os espíritos são muito profundas, às vezes complexas, e de uma forma sempre muito real. A relação é sempre experiencial; e não de fé. Xamãs não acreditam em espíritos, eles os vivenciam. O xamã trabalha com o poder que flui nele, da relação que tem com o espírito. Definir este poder é complexo. É, em parte, a força bruta da natureza que está em forma em torno de nós e, em parte, o poder do desconhecido que ainda não está manifesto.

Há três características definidoras da relação de trabalho forjada entre os espíritos e xamãs. Em primeiro lugar, uma energia não-ordinária de origem sagrada permite ao xamã curar os outros. Mesmo os poucos povos, como os !kung, que acreditam que a origem da energia de cura vem do xamã, também enfatizam que é uma energia não-ordinária de origem sagrada. Um xamã deve fazer uma conexão direta com uma fonte sagrada de energia incomum para realizar os atos xamânicos. Em segundo lugar, deve cultivar a sua relação de trabalho com o seu espírito aliado. Finalmente, os espíritos escolhem o xamã e não o contrário. Os espíritos auxiliares é que vem ao xamã. Todo o xamã pode tentar forjar uma relação de trabalho com o espírito que lhe escolheu.

A relação com o espírito é fundamental no início, meio e fim da carreira de um xamã. As práticas diárias do xamã são principalmente para manter uma boa relação com os espíritos. Ele desenvolve essa relação por meio da comunicação e a fortalece através de oferendas e outras práticas de agradecimento. Se os espíritos optam por se afastar, fazem isso em resposta à arrogância ou desrespeito do xamã. Nas canções de poder, onde algumas vezes o xamã parece estar se vangloriando, é o espírito falando através dele, nomeando e afirmando o seu poder. Manter a humildade é essencial para o cultivo das relações de trabalho, que não é aleatória, do xamã com o espírito. É uma parceria muito específica, forjada ao longo do tempo.

As qualidades de uma relação de trabalho especial são definidas por quem o espírito é, o que é necessário para o xamã fazer para permanecer em conexão com o espírito, e como a energia pode ser usada para beneficiar as pessoas. Xamãs devem criar diferentes tipos de relações de trabalho. A interação com cada espírito é única. A hierarquia dos próprios espíritos muitas vezes define essas relações. Geralmente, um xamã tem um parceiro principal, normalmente o espírito que o iniciou e o treinou em primeiro lugar, a este chamamos de Aliado de Poder. Depois, com o tempo e a experiência, o xamã adquire relacionamentos adicionais com outros espíritos que trazem energia extra, ensinamentos únicos, ou executam tarefas específicas. Os Espíritos Aliados do xamã são mestres interiores deste. Podem vir até ele em sonhos, devaneios, visões ou voos xamânicos. Esses espíritos nem sempre têm uma relação entre si. Muitas vezes, eles estão conectados somente através da circunstância de se trabalhar com o mesmo xamã. Eles podem se metamorfosear em animal, seres humanos, minerais, vegetais ou entes míticos.

Todas as relações de trabalho são experienciais. No entanto, elas não são todas com a mesma qualidade de experiência. Algumas são bastante contraditórias, com o xamã ganhando a ajuda do espírito só através de batalha, negociação, ou trapaças inteligente. Outros são eróticos e sexuais, muitas vezes resultando filhos espirituais no mundo espiritual. Apenas uma qualidade é consistente entre as relações estabelecidas entre os xamãs e espíritos. É a de que estão todos em êxtase; onde se envolvem com o poder universal do coração para se conectar a todas as coisas em um estado de Unidade. O fato de que essas relações de trabalho são parcerias estabelecidas ao longo do tempo permite o xamã distinguir entre as energias úteis espirituais e as do espírito extraviado que causam doenças e desarmonia. Com a clareza e orientação dos espíritos, o xamã é capaz de substituir energias intrusas, trazer de volta espíritos errantes para suas casas, e orientar as almas perdidas dos mortos ao longo de sua jornada para a “Terra dos Mortos”. Mesmo em uma batalha até a morte pela alma de um paciente, o adversário é honrado, não vilanizado, pois é uma fonte de grande poder.

Isso não significa dizer que tudo é bom no mundo do xamã. A má intenção de outrem é claramente identificada onde está presente. No entanto, o cerne da cura xamânica é o de equilíbrio e restaurar o relacionamento correto de todas as coisas. O xamã entende que é sábio e prático para a relação entre os reinos da matéria e do espírito, ter humildade e respeito. É ainda mais sábio quando se compreende que todas as coisas são literalmente ligadas ao trabalhar em conjunto com os poderes que estão dispostos a ajudar a trazer a harmonia que sustenta a vida. Esta conexão de todas as coisas, que é a raiz de nossa necessidade de restaurar o equilíbrio, pode ser a única explicação para os espíritos nos ajudarem. Quaisquer que sejam suas razões, eles entram em contato conosco, escolhem, iniciam e treinam os xamãs, para que estes possam nos ajudar.

A relação entre o xamã e espírito não é idealizada, nem estabelecida em uma busca por iluminação ou ascensão pessoal. É uma relação prática que deve trabalhar aqui no reino dos vivos. O xamã deve ter a capacidade de entrar no tipo de relação necessária para fazer o trabalho e possui o poder pessoal necessário para manter-se nesse relacionamento. O xamã deve agir com o coração para sustentar a ação dentro do relacionamento e ter clareza de visão para entender quando a tarefa foi realizada. Se o xamã tem tudo isso, então seu relacionamento com o espírito permite que ele faça o que tem que ser feito sem a intervenção do seu aliado. É através dessa relação de trabalho prático com o espírito que os xamãs realizam milagres cotidianos.

Voltar
Creative Commons License xamanismo.com - Caminho Xamânico - Esta obra é licenciada por uma licença:
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil.